segunda-feira, 16 de maio de 2016

curriculum

Djalma Araujo - Brasileiro, solteiro, 54 anos
R.Quata 446
Jd. San Remo– Londrina  – Parana
Telefone: (43) 33277309 /(43) 96926385- E-mail-dj_araujo@uol.com.br
objetivo
 


Chef de cozinha / professor
FORMAÇÃO
·       Fisioterapeuta de formação pela Universidade Estadual de Londrina Pr.
·       Pos Graduação em metodologia do ensino superior
EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL



  
·         1999  – choperia Santo Ponto
Cargo: chef de cozinha
Principais atividades: coordenação de equipe, montagem e execução de cardapios
·         2000– ACALON- associação da criança e do adolescente de Londrina
Cargo: instrutor de cozinha
Principais atividades:criação de oficina de cozinha, execução e montagem de coquetéis e coofebreakcs.
·         2001 –2003- Hotel escola UNOPAR
Cargo: chef de cozinha e supervisor de estágios gerais
Principais atividades:coordenação e execução de atividades envolvendo toda alimentação do hotel e supervisão de estagiários em turismo e hotelaria da UNOPAR.


·         2001- 2010= Universidade Norte do Parana
·         Professor de Gastronomia no curso de Turismo e Hotelaria
·         Professor de Historia da Gastronomia, cozinha de base e cozinha internacional no curso de gestão em Gastronomia

·         2008- chef de cozinha no restaurante Brickell Kye.

·         2011- chef de cozinha do Orgãnica Bistrõ.

·         2012- sócio proprietário Banana da Terra bistrô (restaurante rural)

·         2014- chef de cozinha no restaurante Pasta de la Nona.

QUALIFICAÇÕES E ATIVIDADES PROFISSIONAIS



·       Chef de cozinha do Restaurante O Casarão
·       Coordenador de Trabalhos de conclusão de curso em Gastronomia
·       Colaborador do site Click goumet (com textos e receitas)
·       Professor temporário no curso de turismo da UNIFIL- INSTITUTO FILADELFIA DE LONDRINA.
INFORMAÇÕES ADICIONAIS



·       REDE SOCIAIS;  professordjalmaaraujochef.blogspot.com, facebook.

sábado, 24 de setembro de 2011

O que tem pra hoje...

O que tem pra hoje: Moela


Na minha família sempre fomos acostumados com alguns alimentos um tanto exóticos para algumas pessoas.
Meu pai sempre gostou de miúdos de boi, como língua, fígado, rins, e ate miolos.
Eu nunca tive problemas nenhum em comê-los, e fui ate mais longe, experimentei testículos de boi na chapa e confesso nada deixa a desejar ao sabor e a textura macia.
Mas os miúdos mais comuns de se encontrar são os de frango, coração, fígado, e moela.
Gosto de todos, mas a moela pode se tornar uma iguaria muito interessante na criação de varias receitas.
Primeiro, depois de bem lavadas em água corrente, cortei-as ao meio e deixei marinando em suco de limão, alho sal e azeite.

Coloquei para cozinhar em pressão com água e caldo de galinha.

Depois de cozida, montei espetinhos.
Numa frigideira quente, coloquei uma porção de açúcar e deixei caramelar, juntei mais alho e molho de soja e um pouquinho de vinagre balsâmico, 





coloquei os espetinhos para se juntar a esse molho, sinceramente, eu adorei.


Você pode variar bastante esse molho, use vinho, suco de laranja, ate molho de tomate, e terá varias combinações para degustar esse miúdo de frango.

sábado, 17 de setembro de 2011

Cheesecake....

Cheesecake de maracujá com calda de amoras silvestres e chocolate.


Adoro cheesecake, a receita tradicional, leva cream cheese, creme de leite e ovos, porem para descomplicar e tornar minha receita mais acessível, usei ricota no lugar do crem cheese e açúcar de confeiteiro e garanto, o resultado ficou muito bom.
Primeiro, processei um pacote de biscoito integral com 4 colheres de cacau em pó,

 você pode usar cookies de chocolate se quiser.
Misturei com três colheres de manteiga, e fiz uma farofa,

 espalhei sobre uma forma desmontável forrada de papel manteiga, untei as laterais e apertei bem para ficar bem compacto, levei para a geladeira para endurecer um pouco e comecei a trabalhar a ricota.




No liquidificador, coloquei 250 Gr de ricota, um copo de leite e bati, misturei 2 xícaras de açúcar de confeiteiro, polpa de dois maracujás, dois ovos e uma lata de creme de leite, processei tudo e coloquei sobre a camada de biscoito que tirei da geladeira, levei ao forno ate dourar levemente.

Enquanto assava fiz três caldas, uma de amora, outra de maracujá e outra somente um chocolate meio amargo derretido com manteiga.








Decorei depois de esfriar um pouco e nossa!!! FICOU DIVINA!!!!

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Frango ao molho de tamarindo e leite de coco...

Tamarindo


Essa fruta originaria do norte africano e índia, se adaptou bem ao norte e nordeste do Brasil, muito consumida em sucos, sorvetes, doces e geléias.


Eu me lembro bem a primeira experiência com esse sabor, estava numa praia em salvador e chupei um picolé bem caseiro, foi surpreendente, imediatamente procurei conhecer o suco dessa fruta com uma coloração amarronzada cor de terra mesmo.

Entretanto depois de algumas pesquisas, descobri o uso em pratos salgados alem dos doces, na culinária indiana usa-se muito em temperos e molhos, misturado á outras especiarias e frutas.
Vou passar lhes uma criação com frango e leite de coco, definindo uma receita com um toque asiático.

Primeiramente, quebre as cascas secas e dispense, para facilitar a retirada das sementes, leve ao fogo com um pouco de água e deixe ferver ate que amoleça,
 separe as sementes e dispense você terá agora uma pasta
 que poderá guardar em geladeira para usar como quiser, o licor de tamarindo é maravilhoso.
Continuando a receita, deixei pedaços de frango,
 neste caso usei coxinhas da asa, para que ficasse barata, em marinada de alho, raspas e suco de limão, sal e pimenta.
Numa panela grossa, coloquei uma porção de açúcar e deixei caramelar, juntei o frango para que pegasse a cor do caramelo, depois de selada a carne, coloquei cebola fatiada e deixei tudo refogar com um pouco de água.
Deixe cozinhar ate o frango ficar macio e coloque 2 colheres da polpa de tamarindo, e 1 vidro de leite de coco.

Acerte a acidez com um pouco mais de açúcar.
Deixe reduzir o molho, junte ao prato uma porção de coentro fresco picado e coco em flocos queimado.



Sirva com arroz branco ou sobre uma fatia de pão chapado.
Eu fui numa linha tailandesa e ficou perfeito.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Gastronomia & Cultura

Gastronomia e Cultura


Utilizo esse espaço para dar umas dicas de leitura e curiosidades no mundo da gastronomia.
Começo com três livros que escolhi de minha coleção particular. Espero que gostem.

A Mesa Voadora.


 “Na Guiné, o tubarão branco aux fines herbes é uma especialidade. Pegue-se um tubarão dos grandes. O tubarão deve ser jogado vivo dentro de um grande caldeirão cheio de água salgada, sobre o fogo. Em seguida, acrescentam-se dois porcos selvagens, quatro galinhas, um missionário protestante e um cunhado do chefe que caiu em desgraça. Mexa-se lentamente ate ferver a água ou ate o tubarão comer a colher, o que vier primeiro. Deixa-se o tubarão de lado. Aproveita-se a água quente para dar banho nas crianças. Tempere-se o tubarão com Mirtes, Paranhos, ogivas do mato, usucapião e Brás de pina. Sirva-se em folhas de parreira com uma porção de fritas e arroz.Guarde-se o espinhaço para bater no chef.”
Luis Fernando Verissimo.

Banquete

São analisados cinco milênios de refeições cerimoniais- dos antigos babilônios ate os dias atuais – para mostrar como os costumes que cercam os grandes jantares espelham de maneira privilegiada a estrutura social.
Roy Strong.

Trattoria

Seja um movimentado restaurante no coração de Florença, ou num pequeno recante numa rua lateral de Veneza, a trattoria é um lugar onde italianos vão em busca de grandes sabores, grandes amizades, grandes momentos.
Patricia Wells.

domingo, 11 de setembro de 2011

AMORAMORAMORAMORA....

Amoramoramoramora

Ganhei um balde muito grande e cheio de amoras, frescas e vibrantes em tons de vinho, vermelho, rosa e lilás.

E agora?
Precisava de uma sobremesa para o almoço em família, deveria ser rápida e pratica, e com toda quantidade dessa fruta, não seria possível utilizar tudo, tive que pensar no que fazer pois amora se estraga muito fácil, é muito delicada.

Separei uma parte para a sobremesa, bati com água e coei para suco e me rendeu quatro garrafas pet, macerei uma grande porção com açúcar e reservei para fazer um licor, outro tanto fiz uma geléia e comecei a preparar a tal sobremesa.
Pudim de amora silvestre.

No liquidificador processei uma lata de leite condensado, uma de creme de leite fresco, quatro ovos e uma xícara de açúcar, juntei uma generosa porção de amoras lavadas e escorridas e bati ate que tudo se transformasse num creme.




Untei uma forma com manteiga, polvilhei açúcar cristal e coloquei para assar em banho-maria.



Depois de frio desenformei e coloquei a geléia de amora por cima.
Irresistível.